Ambientes e Processo de Trabalho

Lançamento do “Protocolo Clínico para Trabalhador Rural e Urbano em Trabalho Pesado e a Céu Aberto no Estado de São Paulo” no 19º encontro da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (Renast )

07/11/2017


 

 Durante a 19º encontro da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (Renast ), foi lançado o “Protocolo Clínico para Trabalhador Rural e Urbano em Trabalho Pesado e a Céu Aberto no Estado de São Paulo”.

O protocolo surgiu a partir do Grupo Técnico “Canavieiro e Frentes de Trabalho” da Divisão de Vigilância Sanitária do Trabalho – Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (DVST – Cerest Estadual) e do Centro de Vigilância Sanitária (CVS) da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Faziam parte deste grupo em 2013 os representantes dos CEREST, Grupos de Vigilância Sanitária – GVS e Grupos de Vigilância Epidemiológica – GVE das regiões de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Sorocaba e Presidente Venceslau.

Em 2015 foram incluídas as regiões de Bauru e Presidente Prudente, com a intenção de idealizar o “Protocolo Clínico para Trabalhador Rural e Urbano em Trabalho Pesado e a Céu Aberto no Estado de São Paulo”, que se destina a identificar o processo e o ambiente de trabalho rural como agentes específicos (elementos ou circunstâncias) potencialmente causadores de danos à saúde e à integridade física do trabalhador.

Para interromper o ciclo “processo/ambiente de trabalho – doença – morte” é necessário identificar o mais precocemente possível, os fatores de riscos ocupacionais, notificar os acidentes e doenças relacionadas ao trabalho e assim, viabilizar a implantação de medidas de controle e prevenção que visem agregar segurança ao processo/ambiente de trabalho, transformando-o num agente de saúde.

 

Portanto, faz-se necessário estruturar um sistema de vigilância em saúde na categoria de trabalhador rural e trabalho pesado a céu aberto, como definido nas legislações vigentes.

 

Esta publicação tem como objetivo identificar os principais agentes de risco ocupacional da categoria selecionada e as doenças e agravos decorrentes, de forma a facilitar o estabelecimento do possível nexo laboral pelos profissionais da rede de atenção básica que, desta forma, poderão notificar adequadamente no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) e, quando for o caso, comunicar o acidente ou doença do trabalho à Previdência Social. Estas notificações contribuem para que as doenças e agravos à saúde neste segmento se tornem conhecidas e estabelecer  ações de prevenção e precaução, buscando a melhoria da segurança, saúde e qualidade de vida para os trabalhadores do trabalho rural e pesado à céu aberto.

 

Os profissionais das equipes da rede de atenção primária e de urgência/emergência poderão, também, propor linha de cuidado a ser aplicada no segmento, aperfeiçoando sua capacidade resolutiva, o que configura estratégia prioritária para o aperfeiçoamento da atenção integral à saúde do trabalhador no Estado de São Paulo do Sistema Único de Saúde-SUS.

 

Grupo Técnico do "Protocolo Clínico para Trabalhador Rural e Urbano em Trabalho Pesado e a Céu Aberto no Estado de São Paulo"

 

 Prof. Dr. Marcelo Pustiglione (Médico do trabalho da DVST/Cerest Estadual e Profa. Dra Silvana Tognini (Enfermeira especialista em SAúde do Trabalhador da DVST/Cerest Estadual)




Mais notícias sobre Ambientes e Processo de Trabalho